• Setembro Amarelo
  • WhatsApp
  • Audiência Pública: Prestação de Contas da Secretaria Municipal de Saúde
Imprimir
PDF

Reforma administrativa já tem sete propostas de emenda

Por Sidney Azevedo.

Já há sete emendas protocoladas para fazer mudanças na reforma administrativa da Prefeitura (PLC 1/2018). Elas serão analisadas pelos parlamentares em sessão na próxima segunda-feira (15). Há emendas para reverter a fusão de secretarias, trocar atribuições entre elas e para evitar abusos na ocupação de cargos.

Quatro das emendas são do vereador Rodrigo Coelho (PSB), duas da vereadora Tânia Larson (Solidariedade) e uma da própria Prefeitura, que possui caráter redacional.

Fiscalização e controle

Uma das emendas de Tânia quer aprofundar as alterações ao texto da Lei da Controladoria (Lei 5.045/2004), deixando a cargo do controlador a função de evitar o “loteamento político de cargos de direção, chefia e assessoramento” da Prefeitura, que são os cargos de confiança e função gratificada; e de fiscalizar a evolução patrimonial dos ocupantes desses cargos e o relacionamento deles com as empresas interessadas em licitações.

O texto inicial da reforma já confere maior peso à Controladoria, dando a ela o estatuto de diretoria executiva. Atualmente, ela tem estatuto correspondente ao de gerência, que é inferior na hierarquia da Prefeitura. A mudança significa também um contato mais próximo com o secretário de governo, superior imediato à Controladoria. Com a reforma, a Controladoria também passa a conduzir os processos administrativos disciplinares.

A outra emenda de Tânia acrescenta ao PLC 1/2018 mais uma alteração no Estatuto dos Servidores (Lei Complementar 266/2008), proibindo o uso de endereços de e-mail não oficiais para o contato com empresas.

As mudanças propostas por Tânia receberam, durante a reunião das comissões de quinta (reunião que deve ser anulada em sessão da próxima segunda-feira, dia 15) uma resposta negativa do presidente da Comissão de Legislação, o vereador Maurício Peixer (PR).

Peixer observou que a atribuição de funções para instituições e cargos da Prefeitura é competência reservada ao prefeito, conforme a Lei Orgânica do Município. Por essa razão, ele entende não haver admissibilidade para a mudança e defendeu a rejeição delas. Porém, Peixer considerou os temas válidos para debate em contexto externo ao da reforma administrativa.

Fim da fusão

Durante a tarde da quinta (11), Coelho protocolou quatro emendas que alteram o texto da reforma. Ele tinha pedido vistas durante a reunião da Comissão de Legislação que deve ser anulada na segunda (15) para a elaboração das emendas.

Duas delas se destinam a suprimir ou alterar os artigos que determinam a fusão das secretarias de Desenvolvimento Rural e de Meio Ambiente. Ou seja, se incorporadas ao projeto, as emendas farão com que a situação permaneça exatamente como é hoje, com duas secretarias distintas.

Gestão documental

As outras duas emendas de Coelho atingem atribuições de outras secretarias. Uma delas é a gestão documental, que atualmente está como atribuição da Secretaria de Comunicação (Secom). Essa função, até a reforma de 2017, cabia à Fundação Cultural de Joinville (FCJ), e era exercida pelo Arquivo Histórico.

A FCJ foi extinta, no ano passado, para dar nascimento à Secretaria de Cultura e Turismo (Secult), que recebeu, também, as funções da também extinta Fundação Turística.

Com a emenda de Coelho, a Secult passaria a, formalmente, administrar a gestão documental do município. Conforme o parlamentar, os servidores da secretaria passam por insegurança jurídica para a realização do trabalho, uma vez que o Arquivo Histórico, sob administração da Secult, não possui a atribuição formalmente.

Dívida ativa

A última das emendas de Coelho transfere a atribuição relativa à dívida ativa da Secretaria da Fazenda (Sefaz) para a Procuradoria Geral do Município (PGM), principalmente no aspecto de cobranças. No entendimento do vereador, a PGM é o órgão da Prefeitura mais indicado para atuar na resolução de conflitos. A Sefaz continuaria nas atividades de notificação, mas a cobrança passaria à PGM.

Texto: Jornalismo CVJ, por Sidney Azevedo

Portal da Transparência

Você pode acompanhar toda a prestação de contas da Câmara de Vereadores de Joinville por meio dos menus ao lado. Para mais informações, com base na Lei de Acesso à Informação, utilize o e-mail.

transparencia@cvj.sc.gov.br